Informação sobre erisipela, causas, sintomas, diagnóstico e tratamento da erisipela, assim como formas de melhorar os sintomas desta doença.


Fatores de risco da erisipela

A presença de condições e/ou patologias que favoreçam o desenvolvimento de uma infecção cutânea constitui um dado valioso para o diagnóstico diferencial e, dado o carácter potencialmente recidivante desta infecção, o seu reconhecimento é indispensável para uma prevenção eficaz.
Os principais fatores de risco da erisipela dos membros inferiores são os fatores locais, nomeadamente o linfedema crnico e a existência de uma solução de continuidade na pele (intertrigo interdigital de etiologia fúngica, úlcera crônica ou lesão traumática). Entre os fatores gerais, só a obesidade é considerada um fator de predisposição.
Ao nível da face, a presença de um abscesso ou furúnculo manipulado e, nos casos específicos de localização peri-orbitária ou orbitária, a existência de ferida traumática, infecção do trato respiratório superior ou, mais raramente a bacteriemia, podem ser a origem da infecção cutânea.

Características clínicas da erisipela

Predominantemente, a erisipela afeta a pele dos membros inferiores, mas quando envolve a cara pode ter uma distribuição característica que se assemelha a uma borboleta nas bochechas e ponte do nariz.
Os sintomas e sinais de erisipela são geralmente de início repentino e, muitas vezes acompanhados de doença em geral sob a forma de febre, calafrios e tremores.
Pele afetada pela erisipela, distingue-se de outras formas de doença da pele devido às manchas terem um limite bem definido e que se levanta.
A pele afetada fica vermelha, firme, inchada e pode ficar com finas covinhas (como uma casca de laranja).

O sangramento na pele pode causar púrpura (manchas roxas).

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL